Seguidores

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

NOTA DE FALECIMENTO: MORRE O VICE-PREFEITO DE ITAPETIM



Faleceu hoje, o Vice Prefeito de Itapetim, João Arcanjo de Sousa (João Galego).
João tem laços de consaguinidade, parente e amigo do nosso pai, filho de Vital de Souza Leite e de Dona Suzana Arcanjo dos Santos, casado com a nossa estimada Nevinha, a qual dirijo o nosso pesar pelo inesperado falecimento do nosso amigo João Galego.

Vital de Souza Leite, seu pai, (in memoriam) é considerado um dos maiores poetas da região, deixou como herança para todos os filhos o dom de suas rimas.
Seus irmãos, Zezito (in memoriam) Jacinto e Adalberto têm uma gama de poemas que encantam pela beleza com que foram feitos.
João, também poeta, homem simples, de pouco falar, um grande amigo que nos deixa muitas saudades.



Pinçado do Blog Itapetim.Net (Bernardo Garapa)

Que Deus lhe receba na eternidade com muita luz, nossas condolências para toda Família!

MENSAGEM ENVIADA A NEVINHA (esposa de João)


Minha querida amiga Nevinha, 

Este é um momento que gostaria de não estar escrevendo para vocês, mas esta é a vontade de Deus.

Perdemos um grande amigo! Itapetim perdeu um grande homem!
Este homem que entrou na política para ajudar aos mais carentes, foi surpreendido prematuramente, frustrando a esperança que o povo nele depositou.
Infelizmente, não podemos contrariar a vontade de Deus, poderemos ficar insatisfeitos e, pela fé, aceitar os seu desígnios.

O povo da minha terra, como vocês, perdeu um PAI, um homem sereno, manso, humano, ético, conciliador por natureza, o qual dedicou sua vida à sua família e aos seus conterrâneos.

Vai ser difícil, para todos nós, entrar naquela lanchonete e não ver o nosso querido JOÃO GALEGO, sempre atento a tudo e a todos, interessado em todos os problemas dos seu amigos, procurando sempre uma maneira de ajudar ao seu semelhante.

Vem à minha lembrança a época da minha campanha para prefeito em 2000, poucos sabem, mas ele foi fundamental na definição do meu nome, quando na pré-campanha tinha três candidatos do mesmo grupo, ele interveio para que fosse o meu nome escolhido; a partir daí se incorporou à minha campanha como se fosse a dele, guardei isso no meu coração e sempre o tive e o terei, como um grande amigo e camarada.
Guardarei comigo a lembrança de sua figura humana, de sua simplicidade.

Que os laços de amizade que nos uniram, continuem como elos entre nós, estendendo para os nossos filhos o sentimento fraterno que sempre permeou o nosso convívio. Transmita aos meninos, seus filhos, e aos seus familiares de um modo geral, os nossos sinceros sentimentos, que DEUS lhe dê forças para suportar tamanha dor. 
                                
Recife, 30 de dezembro de 2010

 Dos Amigos Carlos, Lusa e filhos.

sábado, 18 de dezembro de 2010

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

QUANDO O NATAL TE DESLUMBRAR




Meus amigos,

Ao voltar do trabalho para casa, em um dos semáforos da cidade, alguém aproximou-se do meu carro e me entregou um pequenino cartão de Natal. Deixei-o alguns dias dentro do carro e confesso que não li.
Dias depois, eu o achei sobre o banco trazeiro, amassado e desprezado.
Debrucei-me e o tomei nas mãos. Comecei a ler o que nele estava escrito:
"Ao clarão do Natal , que em ti acorda a música da esperança, escuta a voz de alguém que te busca o ninho da própria alma!..."
A voz, a qual a mensagem se refere, é a voz do seu próprio Coração!

Então eu quis partilhar, com os amigos do coração, essa expressiva mensagem que tocou tão fundo em minh' alma,  transportando-a para esses slides que aqui acabo de postar de presente para vocês.

Desejando que essa mensagem, extraída de um pequenino cartão que um desconhecido me ofertou, pinçada do Livro "Antologia Mediúnica do Natal" (Chico Xavier), possa alcançar o coração de católicos (como eu), evangélicos, espíritas e de todo e qualquer cristão, independente de sua religiosidade; possa, sobretudo, despertar e/ou reforçar o nosso espítito de solidariedade cristã.

Que tenhamos um Feliz Natal e um Própero Ano Novo, que Jesus nos abençoe e nos faça ser mais fraternos, mais irmãos.

Muito obrigada, meus amigos,  por desfrutar da amizade sincera de todos vocês.
Saibam que a presença de vocês, nos meus espaços virtuais, traz para o meu coração o contentamento de uma criança, quando ganha um presente desejado.

FELIZ NATAL!

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

CORRE MEL EM PLENO RIACHO SALGADO





Carlinda inicia sua "História de muitas Histórias" com um belo poema dedicado aos seu bisavós, Joaquim Ferreira de Brito e Josefa Maria da Conceição Ferreira de Brito:

...Sou da Família Ritinha
Deste Riacho Salgado
E a muito tempo vinha
Querendo ver registrado
Aspectos daquela vida
Lembranças tão doloridas
Que nem o tempo desgasta
Quanto mais passa, sinto
Da saudade o labirinto
Que de mim nunca se afasta ...
 E ela segue contando sua história, sua vivência no Riacho Salgado (Sítio em que nasceu, no Município de Itapetim). Em um dos seus versos, ela mesma se pergunta: "Por que um riacho tão doce ganhou o nome de Riacho Salgado?"
Talvez, quem sabe, para que a doçura de Carlinda fizesse contraste com o lugar em que nasceu, tal qual na lei do contraste simultâneo das cores de Michel Eugéne Chevreul, cuja teoria inspirou, entre outros, o pintor Georges Seurat.
Talvez se Carlinda não tivesse ido embora da terra em que nasceu, de tanto banhar-se no Riacho Salgado acabaria por transformar suas águas em néctar do colibri.
Mas Carlinda partiu, o riacho continua salgado e ela continua doce, nós é que viramos colibris em buscar de seu néctar.
Carlinda por onda passa, na vida real ou virtual, pouco importa, passa distribuindo de forma gratuita: amizade, lealdade, justiça, perdão, otimismo, compaixão, alegria, satisfação e solidariedade.
O altruismo que existe em Carlinda faz com que ela concilie sua satisfação pessoal com o bem estar de seus semelhantes, de sua família e de sua comunidade.
Vamos acompanhar essa história, pari passu, cujos registros vão nos fazer entender porque Carlinda é uma privilegiada em relação a sua índole e a sua genética.

Comentário feito por mim à postagem : CARLINDA E SEU FILHO BETO!

Não conheci os pais de Carlinda, do ponto de vista de um relacionamento profundo. Sei, por informações dos meus, da integridade moral e da conduta que os seus antepassados deixaram como exemplo para a sua posteridade.Não os conheci, mas hoje posso dizer que conheço Carlinda. Nunca em tão pouco tempo de convivência contínua, alguém pôde revelar com tanta firmeza o caráter de que é possuidor. 
Carlinda, com certeza sofreu influências da família: pela genética, pela convivência e pelos ensinamentos. Mas Carlinda, ao partir tão cedo para a vida, mostrou que era senhora do seu próprio destino. Através das suas forças interiores ela escolheu a sua forma de interagir com a sociedade. Carlinda formou a sua própria índole.

De posse dessa índole, que ela mesma formou, emancipou-se no meio do seu grupo social, com plena consciência de si e da vida, e sabe, como ninguém, como manter relacionamentos de forma a ter um convívio harmonioso.
Carlinda com seu espírito livre, construiu seu próprio destino. E, ao cruzar com os nossos destinos, ela nos dá gratuitamente essa bagagem que adquiriu na vida, hora pela influência positiva dos seus antepassados, hora pelo seu espírito livre para se construir, hora pela índole que possui. Enfim, Carlinda por onde passa, não só brilha, ela derrama luz!

E feliz daquele que souber aproveitar, nem que seja uma só fagulha, dessa luz que existe em seu interior.
Enfim, privar da amizade de Carlinda,  se sentir amada por ela, é um grande privilégio.
Carlinda é gente que não se tira do coração.






domingo, 28 de novembro de 2010

A EDUCAÇÃO PERNAMBUCANA ESTÁ DE LUTO


Faleceu no início da noite dessa sexta-feira (26), Dona Maria das Dores Muniz de Melo, dona e diretora-presidente do Colégio Santa Maria, aos 94 anos de idade.
Apesar da idade e da saúde frágil, ela ainda era preocupada com a formação de seus estudantes, dos quais primava pela disciplina.
Em dezembro de 2009 por ocasião da "Abertura do Ciclo Natalino", esteve presente no auditório do Colégio e se deixou fotografar ao lado da minha neta Mariana Vilar.
Em nome dos meus filhos, Carlos Leonardo, Carlos Eduardo e Karla Sandra, ex-alunos  do Santa Maria, deixo aqui o meu reconhecimento à grande educadora responsável pela  formação intelectual, moral, cívica, ética e sobretudo, cristã, das minhas crianças que de lá sairam diretamente para a universidade, no mesmo ano em que concluiram o curso médio.
A este educandário, confiantemente, respaldados no resultado alcançado pelos nossos filhos, entregamos nossas netas, Mariana e Gabriela.
Muito obrigada, Dona Maria das Dores. Pelo desempenho da sua missão aqui na terra, hoje, será recebida nos céus com todos os louvores de Deus.
O Coral Infantil do Colégio Santa Maria, cuja apresentação a Senhora assistiu, vem novamente homenageá-la, sinta na voz de cada um desses pequeninos a saudade e o agradecimento pelos frutos que recebem do tudo que a Senhora plantou:



CLIQUE NOS LINKS ABAIXO:


terça-feira, 16 de novembro de 2010

FALECIMENTO DE DOROTÉIA NUNES



Meus amigos e familiares de Dorotéia Nunes, 

Perplexos, ficamos sabendo do acidente que vitimou a nossa conterrânea. Quis Deus que, após quarenta e três anos que não tive oportunidade de encontrar-me com ela, ao voltar das eleições para o segundo turno, nós a encontrássemos em fernte ao Banco do Brasil, em São José do Egito.
Pedi notícias da minha amiga, Mércia (sua filha), e prometi que na proxima viagem à Itapetim far-lhe-ia uma visita.
Tivemos pouca convivência com a nossa conterrânea Dorotéia, em contrapartida, privamos da amizade de seus irmãos, Dôra, Fátima e Antônio. Sem se falar dos laços que uniam nossos pais.
Seu João Nunes foi um grande amigo da família e nosso pai devotava a ele uma sincera amizade.
Mércia é uma grande amiga, que se uniu conosco em prol da candidatura de meu marido para prefeito de Itapetim. Trabalhávamos juntas dia e noite, Mércia passou a fazer parte da família.
Quando a campanha acabou, ela deixou em mim um profundo sentimento de gratidão, pelo seu esforço, pelo seu entusiamo e construimos uma amizade sincera que jamais será esquecida.
Nesta hora de dor para toda a família, Dorotéia já está nos braços de Deus. E vocês, meus queridos amigos e conterrâneos, entreguem-se nos braços de Nossa Senhora, segurem firme em suas mãos que Ela os ajudará a suportar tamanha perda.
Recebam de todos os meus familiares toda a nossa solidariedade.

terça-feira, 2 de novembro de 2010

OH! MORTE, OH! SERENA MAJESTADE!




PARA OS AMIGOS QUE , COMO EU,  SOFREM PELA SEPARAÇÃO DOS ENTES QUERIDOS:

"Sobre a Terra, tudo é ilusão, tudo passa, tudo se transforma de um instante para outro. O que conta é o que guardamos dentro de nós, tudo mais há de ficar com o corpo, que se desfará em pó.“ Chico Xavier 

“Devemos aceitar a chegada da chamada morte, assim como o dia aceita a chegada da noite – tendo confiança que, em breve, de novo há de raiar o Sol !... “

A MORTE NÃO EXISTE

"A morte é uma simples mudança de estado, a destruição de uma forma frágil que já não proporciona à vida as condições necessárias ao seu funcionamento e à sua evolução. Para além da campa, abre-se uma nova fase de existência. O Espírito, debaixo da sua forma fluídica, imponderável, prepara-se para novas reencarnações; acha no seu estado mental os frutos da existência que findou.

     Por toda parte se encontra a vida. A Natureza inteira mostra-nos, no seu maravilhoso panorama, a renovação perpétua de todas as coisas. Em parte alguma há a morte, como, em geral, é considerada entre nós; em parte alguma há o aniquilamento; nenhum ente pode perecer no seu princípio de vida, na sua unidade consciente. O Universo transborda de vida física e psíquica. Por toda parte o imenso formigar dos seres, a elaboração de almas que, quando escapam às demoradas e obscuras preparações da matéria, é para prosseguirem, nas etapas da luz, a sua ascensão magnífica.

     A vida do homem é como o Sol das regiões polares durante o estio. Desce devagar, baixa, vai enfraquecendo, parece desaparecer um instante por baixo do horizonte. É o fim, na aparência; mas, logo depois, torna a elevar-se, para novamente descrever a sua órbita imensa no céu.

     A morte é apenas um eclipse momentâneo na grande revolução das nossas existências; mas, basta esse instante para revelar-nos o sentido grave e profundo da vida. A própria morte pode ter também a sua nobreza, a sua grandeza. Não devemos temê-la, mas, antes, nos esforçar por embelezá-la, preparando-se cada um constantemente para ela, pela pesquisa e conquista da beleza moral, a beleza do Espírito que molda o corpo e o orna com um reflexo augusto na hora das separações supremas. A maneira por que cada qual sabe morrer é já, por si mesma, uma indicação do que para cada um de nós será a vida do Espaço.

     Há como uma luz fria e pura em redor da almofada de certos leitos de morte. Rostos, até aí insignificantes, parecem aureolados por claridades do Além. Um silêncio imponente faz-se em volta daqueles que deixaram a Terra. Os vivos, testemunhas da morte, sentem grandes e austeros pensamentos desprenderem-se do fundo banal das suas impressões habituais, dando alguma beleza à sua vida interior. O ódio e as más paixões não resistem a esse espetáculo. Ante o corpo de um inimigo, abranda toda a animosidade, esvai-se todo o desejo de vingança. Junto de um esquife, o perdão parece mais fácil, mais imperioso o dever.

     Toda morte é um parto, um renascimento; é a manifestação de uma vida até aí latente em nós, vida invisível da Terra, que vai reunir-se à vida invisível do Espaço. Depois de certo tempo de perturbação, tornamos a encontrar-nos, além do túmulo, na plenitude das nossas faculdades e da nossa consciência, junto dos seres amados que compartilharam as horas tristes ou alegres da nossa existência terrestre. A tumba apenas encerra pó. Elevemos mais alto os nossos pensamentos e as nossas recordações, se quisermos achar de novo o rastro das almas que nos foram caras.

     Não peçais às pedras do sepulcro o segredo da vida. Os ossos e as cinzas que lá jazem nada são, ficai sabendo. As almas que os animaram deixaram esses lugares, revivem em formas mais sutis, mais apuradas. Do seio do invisível, onde lhes chegam as vossas orações e as comovem, elas vos seguem com a vista, vos respondem e vos sorriem. A Revelação Espírita ensinar-vos-á a comunicar com elas, a unir os vossos sentimentos num mesmo amor, numa esperança inefável.

     Muitas vezes, os seres que chorais e que ides procurar no cemitério estão ao vosso lado. Vêm velar por vós aqueles que foram o amparo da vossa juventude, que vos embalaram nos braços, os amigos, companheiros das vossas alegrias e das vossas dores, bem como todas as formas, todos os meigos fantasmas dos seres que encontrastes no vosso caminho, os quais participaram da vossa existência e levaram consigo alguma coisa de vós mesmos, da vossa alma e do vosso coração. Ao redor de vós flutua a multidão dos homens que se sumiram na morte, multidão confusa, que revive, vos chama e mostra o caminho que tendes de percorrer.

     Ó morte, ó serena majestade! Tu, de quem fazem um espantalho, és para o pensador simplesmente um momento de descanso, a transição entre dois atos do destino, dos quais um acaba e o outro se prepara. Quando a minha pobre alma, errante há tantos séculos através dos mundos, depois de muitas lutas, vicissitudes e decepções, depois de muitas ilusões desfeitas e esperanças adiadas, for repousar de novo no teu seio, será com alegria que saudará a aurora da vida fluídica; será com ebriedade que se elevará do pó terrestre, através dos espaços insondáveis, em direção àqueles a quem estremeceu neste mundo e que a esperam.

     Para a maior parte dos homens, a morte continua a ser o grande mistério, o sombrio problema que ninguém ousa olhar de frente. Para nós, ela é a hora bendita em que o corpo cansado volve à grande Natureza para deixar à Psique, sua prisioneira, livre passagem para a Pátria Eterna.

     Essa pátria é a Imensidade radiosa, cheia de sóis e de esferas. Junto deles, como há de parecer raquítica a nossa pobre Terra” O Infinito envolve-a por todos os lados. O infinito na extensão e o infinito na duração, eis o que se nos depara, quer se trate da alma, quer se trate do Universo.

     Assim como cada uma das nossas existências tem o seu termo e há de desaparecer, para dar lugar a outra vida, assim também cada um dos mundos semeados no Espaço tem de morrer, para dar lugar a outros mundos mais perfeitos.

     Dia virá em que a vida humana se extinguirá no Globo esfriado. A Terra, vasta necrópole, rolará, soturna, na amplidão silenciosa.

     Hão de elevar-se ruínas imponentes nos lugares onde existiram Roma, Paris, Constantinopla, cadáveres de capitais, últimos vestígios das raças extintas, livros gigantescos de pedra que nenhum olhar carnal voltará a ler. Mas, a Humanidade terá desaparecido da Terra somente para prosseguir, em esferas mais bem dotadas, a carreira de sua ascensão. A vaga do progresso terá impelido todas as almas terrestres para planetas mais bem preparados para a vida. É provável que civilizações prodigiosas floresçam a esse tempo em Saturno e Júpiter; ali se hão de expandir humanidades renascidas numa glória incomparável. Lá é o lugar futuro dos seres humanos, o seu novo campo de ação, os sítios abençoados onde lhes será dado continuarem a amar e trabalhar para o seu aperfeiçoamento.
     No meio dos seus trabalhos, a triste lembrança da Terra virá talvez perseguir ainda esses Espíritos; mas, das alturas atingidas, a memória das dores sofridas, das provas suportadas, será apenas um estimulante para se elevarem a maiores alturas.

     Em vão a evocação do passado, lhes fará surgir à vista os espectros de carne, os tristes despojos que jazem nas sepulturas terrestres. A voz da sabedoria dir-lhes-á: “Que importa as sombras que se foram! Nada perece. Todo ser se transforma e se esclarece sobre os degraus que conduzem de esfera em esfera, de sol em sol, até Deus”. Espírito imorredouro, lembra-te disto: “A morte não existe”.  

(Léon Denis - O Problema do Ser, do Destino e da Dor)

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

UM SIMPLES ENCONTRO, UMA GRANDE MENSAGEM!



(Lusa e Marinho)


" Eu gosto de ser chamada de " a filha de Louro, a mãe de Marinho, a neta de Antônio Marinho", porque entendo que nada somos sem as nossas referências, sem as nossas Raízes, isso não quer dizer que não tenhamos identidade própria" - Bia Marinho


"Eu já tenho muitas portas abertas, muito espaço conquistado. Não tenho ambição de ficar famoso, sei que todas as portas que se abriram foram pelas referências de quem veio antes de mim. Eu posso subir em qualquer palco, antes de dizer meu nome, eu digo: Eu sou bisneto de Antônio Marinho" - Antônio Marinho (Marinho)


O ano passado eu estava em Itapetim, na minha terra natal, e recebi um convite para uma seresta com Bia e Antônio Marinho. Foi de Marta de Seu Moisés que recebi este convite tão especial.
Foi na casa de Seu Moisés, o pai de Marta, velho amigo do meu saudoso pai, Antônio Piancó, que nos reunimos com a filha e o neto de Louro do Pajeú. Um privelégio que poucos sabem do seu tamanho.

Louro do Pajeú 

Bia é filha de Louro e de Helena Marinho, cujas raízes estão entrelaçadas às minhas, dado ser Helena, sua mãe, ainda parenta da minha avó paterna.
Afora as raízes da consangüinidade, ainda temos as raízes do coração itapetinense que, ainda hoje, briga feio para provar que Lourival Patriota, o Louro do Pajeú, é filho natural de Itapetim. E é.

Foram momentos inesquecíveis que vivenciamos na casa de Marta. Alí, diante de Bia e de Marinho, do filho dela e de Zeto, de dois poetas, de dois artistas da maior qualidade e, ainda por cima,  da filha e do neto de Louro do Pajeú; da neta e do bisneto de Antônio Marinho, eu procurava explicação para entender as razões pelas quais o povo da minha terra não fazia fila para assistir, ainda por cima de graça, aqueles dois monstros sagrados da poesia.

Nunca vou entender o fato de Bia e de Marinho serem recebidos, em Itapetim, como dois anônimos. Acorda povo! Foi assim que levaram Louro, Rogaciano, Dimas e tantos mais.

O que era para ser um simples encontro tranformou-se numa grande noitada de poesia, prosa, e de lindas canções interpretads por Bia e Marinho, os quais além de grandes poetas têm uma belíssima voz.
Baeta, irmã de Marta, que também é dona de uma voz invejável, também cantou feito um pássaro,complementando o brilho daquela noitada.


Dentre todo os assuntos que surgiram, o que mais me deixou emocionada foi ouvir de Bia Marinho:

" Eu gosto de ser chamada de " a filha de Louro, a mãe de Marinho, a neta de Antônio Marinho", porque entendo que nada somos sem as nossas referências, sem as nossas Raízes, isso não quer dizer que não tenhamos identidade própria"

Bia e Zeto

16 de outubro 2002
Morreu ontem, em Palmares, de complicações no fígado, o cantor e compositor José Antônio do Nascimento Filho, cujo nome artístico era Zeto. Ele ficou conhecido quando participou da campanha do programa eleitoral de Miguel Arraes, em 1986, improvisando em cima do mote “Arraes vai entrar pela porta que saiu”.Nascido em Canhotinho, Zeto morou muitos anos na cidade de São José do Egito, onde casou com Bia Marinho, filha do célebre repentista Lourival Batista. Com a mulher, Zeto formou uma dupla e chegaram a gravar um LP, Estrada, em 1989, dedicado ao compositor José Marcolino.
Zeto, feito os cantadores do Sertão antigo, levou vida errante. Uma das poucas vezes em que ele alterou seu modo de viver foi quando apresentou o programa Pé de Serra, na TV Jornal, em 1996, quando foi substituído por Maciel Melo. Presença constante em festivais de repentistas, Zeto foi também compositor de forró bastante requisitado pelos artistas do gênero. Entre os que gravaram composições dele estão Paulo Matricó, Alcymar Monteiro e Flávio José.
Ele gravou seu último disco em 1999. Intitulado Curvas, o CD teve lançamento independente, e circulou basicamente entre os admiradores do artista. Zeto foi enterrado, ontem, em Canhotinho, onde mora sua família.





Antonio Marinho do Nascimento é natural de São José do Egito, Pernambuco, terra da poesia. Descende de uma forte linhagem poética: filho de Zeto e Bia Marinho, neto de Lourival Batista, bisneto de Antonio Marinho, sobrinho de Otacílio e Dimas Batista, e de Graça Nascimento e Job Patriota, alguns dos maiores repentistas brasileiros. Quem poderia ter sangue mais nobre?
Fonte: Sonetos de Antônio Marinho!

Formado em Direito pela Universidade Católica de Pernambuco, turma 2010, foi escolhido orador.
Trechos do seu discurso:

"... tenhamos nós até a capacidade de amar mais, até o réu, ou bandido do que ao sistema falido que assim o fabricou.
Técnicos o Direito tem em abundância, conhecedores da letra fria da lei sobram nos corredores da Universidade, ostentadores de ternos e gravatas encontram-se aos montes, mas homens e mulheres apaixonados pela raça humana, independente da área em que atuem, estão em extinção. Pedimos então equacionar esses números, nos apaixonemos diariamente pelo que a nossa ciência pode fazer de alteridade.
Sejamos mais do que os livros que repousam empoeirados nas nossas bibliotecas, porque eles aconchegam em suas páginas apenas o conhecimento, e nós não, podemos aconchegar em nosso colo, em nossa alma e em nosso coração, além do conhecimento, a dor universal fruto da pobre condição de se ser homem, de se ser mulher; só assim terá valido a pena, não o curso, não o diploma ou o dinheiro investido, é muito mais do que isso. Só assim terá valido a pena a nossa passagem por este mundo, no qual, realmente, estamos apenas de passagem ..."

PARTE I

PARTE II



Obrigada, minha amiga Marta, foi um presente maravilhoso que você me deu, foi uma noitada inesquecível na companhia de Bia e Marinho.

Marta Ferreira é sobrinha do grande poeta Jó Patriota (in memoriam)







Jornal do Comércio - 06/Ago/2003 
A lendária trindade da cantoria nordestina, formada pelos irmãos Batista, de São José do Egito, encerrou-se ontem, com a morte, em João Pessoa, de Otacílio Batista, 79 (completaria 80 em setembro), em conseqüência de problemas respiratórios e cardíacos. Ele sofria de diabetes e esclerose. Os outros “faraós”, como os irmãos eram também cognominados, Lourival, o “Louro”, e Dimas, faleceram, respectivamente, em 1992 e 1987.
Otacílio Batista era o mais novo e mais bem-humorado do trio. Orgulhava-se de ter cantado para todos os Presidentes da República, de Gaspar Dutra (1945) a FHC, e para o Papa João Paulo II. Nascido em Itapetim, então distrito de São José do Egito, no Sertão do Pajéu, Otacílio Batista vivia em João Pessoa, onde cantou pela última vez, no início do ano passado, com o parceiro Oliveira de Panelas. Por telefone, da capital paraibana, também adotada por ele, Oliveira falou com emoção do colega com o qual por 23 anos formou uma das duplas mais duradouras da história do repente.
Ele cantou pela primeira vez com Otacílio Batista em São Paulo: “Isso foi em 1975, em seguida voltei para o Nordeste, quando passamos a cantar juntos. A amizade nossa era como a de pai para filho. Gravamos quatro CDs e três LPs, e viajamos pelo Brasil inteiro e até ao exterior. Fomos a Cuba, Bolívia e Portugal. O repente perdeu um gênio. Ele deixa uma lacuna enorme na poesia brasileira”. Na hora, com a voz potente, que o levou a ser alcunhado de “O Pavarotti do Sertão”, Oliveira de Panelas improvisou esta décima para o amigo: “Por ser leal cantador/ Vivemos os mesmos planos/ Em nossos 23 anos/ Entre a alegria e a dor/ Porém quis o Criador/ Lhe envolver em um véu/ Para receber o troféu/ Que Deus lhe deu de presente/ Hoje foi fazer repente/ Nas cantorias do céu”.
Embora já fossem lendas no Nordeste, os irmãos Batista só se tornaram conhecidos nacionalmente a partir dos discos da gravadora Marcus Pereira, que empreendeu um mapeamento da música regional do país em 1973. A gravação dos repentistas de São José do Egito levou jovens autores da MPB a se interessar pela cantoria. O Quinteto Violado, por exemplo, lançou no álbum Pilogamia do Baião, de 1979 ,Martelo agalopado, uma composição de Otacílio Batista, em parceria com o também cantador Diniz Vitorino. Seu maior sucesso na música popular aconteceu em 1982, com Mulher nova, bonita e carinhosa, faz o homem gemer sem sentir dor, um mote que virou canção (assinada com Zé Ramalho) e alavancou a carreira da cearense Amelinha, e inclusive foi o título do LP da cantora daquele ano .
Ivanildo Vila Nova, um dos maiores nomes do repente atual, revelou que pretende fazer, no próximo ano, uma cantoria em homenagem a Otacílio Batista, em Itapetim, sua cidade natal: “Cantei váris vezes com ele. Era sem dúvida uma das legendas do repente. Dos três irmãos, para mim era o que cantava mais bonito e o mais humorista”. O humor de Otacílio Batista aflorava em versos como estes: “Admiro o vagalume/ Voando ao morrer do dia/ Desafiando a ciência/ Que o homem na Terra cria/ Com um pisca-pisca na bunda/ Sem precisar bateria.”



Val Patriota, irmão de Bia, outro grande artista, poeta de voz marivilhosa!



Já estive na casa de Bia em Apipucos, aqui em Recife, fui convidada para um recital. Fomos acompanhados de Jorge e Vandinha, Dé e Gleice. Também estava conosco Maria de Zezé (in memoriam), a mãe dessas minhas amigas.
Não há nada que se possa comparar ao que assistimos por lá. Melhor ainda, após o evento, conversar com Marinho e Bia, por pouco não raiamos o dia.
Não importa se uns dizem que os antepassados de Bia e Marinho nasceram em São José do Egito, ou Itapetim, o que importa é saber que a nossa Vila de Umburanas, à época pertencente a São José, deu ao mundo essa família que nos traz tanto orgulho e que faz parte das nossas raízes do coração.
Obrigada, Marta, pelo convite, obrigada, Bia e Marinho, pela bela noitada na companhia de vocês!

Acesse os links: 


quinta-feira, 16 de setembro de 2010

IMORTAL AFEIÇÃO!



"Padre João fixou-se no município de Itapetim, em 1928, tornando-se um dos grandes vultos da nossa história, pela dedicação e amor intransponíveis a este pedaço de terra do Sertão pernambucano. Foi um veemente chefe político sempre ligado às forças políticas da direita. Grande batalhador pela emancipação do nosso município.
Padre João Leite Gonçalves,figura ultra carismática,ele nasceu no dia 7 de julho de 1903 no Pajeú. Filho de Cláudio Leite de Andrade e Josefa Gonçalves de Andrade. Ao cursar o primário, descobriu sua vocação para o sacerdócio,demonstrando aos seus familiares o desejo de estudar Teologia. Entrou para o Seminário de Pesqueira,concluindo o Ginásio e o Clássico. Em seguida,deu um passo importantíssimo,ingressando no Seminário de Olinda, onde finalmente cursou Filosofia e Teologia - fato que culminou com sua ordenação plesbiterial realizado por Dom José Antônio de Oliveira Lopes,no dia 2 de abril de 1927.
Já como padre,iniciou seus trabalhos religiosos na cidade de Buíque-PE, e, em seguida,em Pedra de Buíque. Mediante as labutas exemplares,foi convocado pelo Bispo da Diocese de Pesqueira para ser seu secretário. Finalmente, realiza sua paixão anorável de servir a seu povo na terra natal. Nomeado vigário da Paróquia de São Pedro das Umburanas no dia 4 de janeiro de 1928, assumiu-a,em definitivo,no dia 09 do mesmo mês.
Ele preencheu uma grande pauta de atividades prestadas à nossa gente. Mais que religioso, foi um político que lutou com garra por cada obra que surgiu aqui - e que deixou sua marca indelével. Doou 42 anos de sua digníssima vida a Itapetim,falecendo a 1 de dezembro de 1969."
 (Texto elaborado,com algumas alterações vocabulares,a partir do original do Professor Benones Lopes,retirado do livro "ITAPETIM: histórias de seu povo",por Paulo Patriota em 25 de Maio de 2006.)

Eu quero parabenizar o Professor Benone Lopes pela maneira justa, imparcial e histórica  que escreveu sobre a memória deste grande homem que um dia existiu entre nós. Agradeço também a Paulo Patriota pela fidedignidade à fonte pesquisada , bem como a disposição de transcrever para aquela enciclopédia online os dados históricos do nosso querido município.

Quando meu Tio Benone faleceu, eu encontrei este quadro pendurado em uma das suas paredes. Tratava-se de um recorte de jornal em circulação, à época, cujo nome não aparece.
Quando dele me aproximei eu fiz a seguinte leitura:

O falecimento do Pároco de Itapetim
O cônego João Leite Gonçalves de Andrade

Uma triste e dolorosa notícia circulou, pesarosamente, por todos os recantos do município sertanejo de Itapetim, na tarde do dia 18 de dezembro último, enchendo de mágoa, de dor e de saudade o coração bondoso e sensível dos moradores daquela localidade e municípios circunvizinhos:o falecimento, às 14, 40 horas em sua residência, à Rua Major Cláudio Leite, do virtuoso pároco da Matris de São Pedro da Lages, O CÔNEGO JOÃO LEITE GONÇALVES DE ANDRADE, que durante 43 anos ininterruptos exercia alí o seu santo apostalado, impondo-se à admiração, à estima e à amizade dos seus paroquianos que lhe devotavam um profundo respeito, uma imortal e extraordinária afeição.
Conhecido na cidade o infausto acontecimento, foi logo divulgado em toda região sertaneja causando o mais vivo e profundo pesar.
Minutos depois, a residência do extinto ficou literalmente repleta de pessoas de todas as condições sociais que foram velar o corpo e apresentar condolências à família enlutada, destacando-se o Prefeito José Francisco dos Santos, o ex deputado Walfredo Paulino de Siqueira e outras altas autoridades, inclusiv o Bispo Dom Francisco Austragésilo de Mesquita, que chegou às 20 horas, de Afogados da Ingazeira, celebrando missa de corpo presente.
Depois o caixão mortuário foi conduzido ao salão nobreda Câmara de Vereadores, para receber o último adeus das autoridades e do povo em geral.
Durante duas horas permaneceu em câmara ardente, saindo, posteriormente, para a matriz local acompanhado por enorme multidão.
Às 10,30 horas, foi celebrada nova missa de coro presente, pelo Bispo de Afogados da Ingazeira, com a participação de oito sacerdotes, quando , então, Dom Francisco pronunciou tocante oração em homenagem ao morto, pondo em relevo a sua atuação de padre e pácoco de Itapetim.
Viam-se presentes autoridades civis e militares, sacerdotes de outras paróquias, corpo discente do Colégio Municipal e do Grupo Escolar Tereza Torres, deputados, agricultores, comerciantes, etc.
Segui-se, enfim, as cerimônias do sepultamento na própria matriz.
Contava com 66 anos de idade e deixou 4 irmãs: Senhorita Alice e senhoras, Laura, Hilda, e Iracy Almeida, casada com o sr. José Matias de Almeida.

Em 1969 eu era noiva de Carlos, hoje meu marido. Esse sacerdote que casou os meus pais, me batizou, celebrou minha primeira eucaristia, infelizmente, não concretizou a alegria de celebrar o meu casamento, cujo desejo de fazê-lo me revelava todos os dias.
No dia do seu sepultamento, naquele momento marcado de grande emoção, qunado os sinos da Igreja Matriz de São Pedro das Lages anunciavam o luto e a saudade que se instalariam para sempre no coração de todos os itapetinenses, eu estava presente. Eu senti a dor da sua perda, como um filho que sofre a perda de um pai. Aquele sacerdote, totalmente identificado com a sua vocação, estaria sendo acolhido pelas mãos sacerdotais de Jesus Cristo, sumo e eterno sacerdote, deixando saudades imorredouras no coração de cada um dos nossos conterrâneos. Os cristãos perdiam o pastor espiritual, Itapetim perdia o maior chefe política de quem se tem notícias na história da minha terra e, a família Piancó perdia um dosseus maiores amigos.
No baú das minhas lembranças, Pe João Leite continuará vivo para sempre, ele é uma das pessoas que fizeram parte da minha vida e jamais sairá do meu coração.


Jazigo do Cônego João Leite Gonçalves de Andrade - Matriz de São Pedro das Lages

Agradeço ao meu Tio Benznho (in memoriam) por ter emoldurado o recorte do jornal que anunciou aquele dia fatídico para todos os meus conterrâneos, por isso dedico a ele esta postagem que acabo de fazer.

P.S. Se você recebeu esta postagem , por favor não responda por e-mail, visite Raízes do Coração clicando no link " Postado por Lusa Vilar", se desejar deixe seu comentário. Obrigada.

terça-feira, 31 de agosto de 2010

HOJE É O ANIVERSÁRIO DE DHOTTA!



No meu "Trem da Vida" os amigos são sempre bem-vindos. Ao narrar o meu percurso humano e social, nesta maravilhosa viagem, a bordo do "trem da vida", eu vou juntando lembranças enraizadas na memória e no coração, vou contando minhas histórias, homenageando meus amigos, velhos ou novos, mortos ou vivos, que me deixaram marcas indeléveis, pela amizade e atenção que deles recebi ou ainda recebo.

Marcos Dhotha é o meu homenageado de hoje. Meu amigo, meu conterrâneo, assíduo companheiro desta viagem, de cuja exclamação, ao adentrar no vagão dos "Piancós", jamais esquecerei.
Tocou tão fundo em minh'alma que a transformei em marca registrada dos meu Blog Raízes e dos demais integrados a ele.

"Passear por aqui é tropeçar na SAUDADE, esbarrar no AMOR e encontrar VIDA!"


video

E tropeçando na SAUDADE formatei este vídeo, com imagens reveladoras das origens do meu amigo Dhotta, tão sertanejas quanto as minhas que, de geração à geração, ao longo de tantos anos, vêm multiplicando essa amizade, tornando nossos laços cada vez mais fortes.

Amigo do peito da minha irmã caçula, Rita de Cássia, Dhotta caiu nas graças da minha mãe, era acolhido na nossa casa com muito afeto.

Companheiro de viagem, no meu "Trem da Vida", sempre compartilhando das minhas SAUDADES, Dhotta escreveu um comentário para a postagem que fiz no dia 12 de setembro, dia em que, se viva fosse, seria o aniversário da minha mãe:



Todas as vezes que entro no “RAÍZES” tenho a sensação de que apenas nos despedimos do tempo e nunca da vida. Geeente!! Como tudo isso aqui pulsa. É o AMOR, a SAUDADE e a VIDA entrelaçados num único lugar. Qualquer pessoa de coração bem formado vai se sentir acolhido, em casa. É impossível olhar para o amor que sentes por tua família e não lembrar que também temos uma... E as famílias florescem sempre, é a primavera da vida. Nós é que envelhecemos ao sabor do outono dos “antigamentes”. E que delícia recordar que ainda podemos ser felizes com as lembranças e o legado das nossas Raízes. E saber que somos também sobreviventes, a partir de um tempo, onde nossos pais não nos davam o que queríamos, mas sim o que eles podiam nos dar. E o que é melhor, sem culpas posteriores. Eita tempo bom danado! Onde nossas casas possuíam quintais, árvores, flores e animais... E que consertar a rodinha de um carinho quebrado ou achar o braço perdido de uma boneca, era a coisa mais importante do mundo...

Em resumo, passear por aqui é tropeçar na SAUDADE, esbarrar no AMOR e encontrar VIDA....

E hoje ao abrir a página do Raízes, vejo essa “Ode ao amor materno”... Somente Rita de Cássia sabe o quanto sou suspeito para falar de Dona Rita. Mas não quero lamentar sua descida do “Trem da Vida”, uma vez que o pouco tempo que convivi com ela, eu sequer escutei um lamento. Mas pude sentir a extrema compreensão de uma mãe. E isso me bastou para que eu pudesse amá-la da mesma forma que amava a minha. E por quantas noites ao entrar na casa de vocês, fui acolhido como a um filho. Tratado “a pão-de-ló”, era assim que eu me sentia. Passava o dia inteiro fazendo regime para quando chegar à noite, quebrar. Dona Rita mandava logo meu regime pro “bebeléu” e calava minha fome com um pedaço de bolo e doce de mamão. Ela humilhava toda e qualquer tentativa minha de fazer regime. Impossível entrar naquela cozinha e não sentir o cheiro de pão, café e manteiga...

Eu queria deixar apenas esse registro para deleite de minhas lembranças e dizer a ela: Dona Rita ! A senhora tinha razão... Nunca consegui terminar de fazer um regime na minha vida. Mas eu continuo o Dhotta “glutão”, sempre a espera de um pedaço de bolo, com bastante doce de mamão...(rs!) Até rimou. E para completar: Te tenho para sempre eternizada em minha mente e em meu coração. Um beijo saudoso.
14/09/09 12:44

Meu amigo, o que você deixou registrado não foi apenas para deleite de suas lembranças, foi sobretudo uma consagração da nossa amizade, você, com suas palavras, comparando o amor que sentia pela minha mãe com aquele que sente para com a sua, selou o nosso amor fraterno de tal modo que jamais o tiraremos do coração!

Acontece que no "Trem da vida" histórias é o que não nos faltam para contar. Nosso trem é um reduto de surpresas. Não respeitamos sequer a ordem cronológica dos fatos, o pensamento vagueia ziguezagueando entre o passado, o presente e o futuro.
O passado serve-me de lições, lembra-me momentos felizes, mas lembra-me também episódios desanimadores, mas que foram superados para dar lugar a uma vida vivida sem fuga e sem dramatização. Serve-me de raízes fincadas bem no fundo do meu coração, para que nunca me esqueça que o meu presente deve muito a maneira como no  passado fizeram o meu começo, fortalecendo-me para que saiba fazer o meu futuro.
E neste zizague no tempo, certo dia lembrei-me de que o pai de Dhotha, Toinho da Penha (in memoriam), havia salvo minha vida quando, ainda criança, numa noite de tempestade, lá na minha terra natal, caíra esparramada sobre o barro, bem ao lado da Casa Penha, a casa comercial dos Penhas.

De posse dessas lembranças, eu as repassei, para os companheiros de viagem, através da postagem do dia 14 de janeiro de 2010, no Blog "Nossa Infância e Adolescência" integrado ao "Raízes" cujo título é  Entre Raios e Trovões! .
Escrevera em detalhes  aquelas cenas guardadas no baú das minhas memórias, descrevera com tanta fidedignidade que, por vezes, vi a claridade daqueles relâmpagos, ouvi o estrondo do trovão e senti na pele as mãos protetoras do pai de Dhotha que, freneticamente, massegeava meus pulsos na tentativa de reanimar-me.

Quando Dhotta viu a postagem, chamou Bernadete (a mãe dele), e unidos, emocionados pela evocação de um passado, onde o pai e o marido, respectivamente, havia sido o herói que me salvara, escreveram-me o seguinte comentário:

O Tempo parou por aqui... Pronto! Não mais existe tempo por cá. Tempo aqui é coisa que se conta – APENAS - através da memória e não dos calendários. Tempo que se revela nas lembranças, vivências e saudades (no tempo presente...) E nós vivemos nesse tempo da memória. Falo de uma Memória Saudável! Dos risos insanos e das lágrimas não contidas... Ah! Tempos idos, tempo perdido, velhos tempos, tempos de outrora e tempos de nunca mais... Tempo da alma e do tempo que falta... É o passar do tempo meu bem! Mas um passar do tempo no tempo de Hoje. Tempo de passado presente... TEMPO DE RAÍZES !!! Raízes de um passado forte. Que sobrevive e que se renova naqueles que aqui ficam pra contar histórias... Histórias do tempo, mas contadas com o coração do agora. Cujas ramificações – indiscutivelmente - são partes de nós, da história de um povo. Coisa viva!!! De dentro da gente. E que sutilmente desliza por entre raízes pulsantes. Esse espaço aqui é das entranhas mesmo! Pois a cada raiz que se finca ao correr do tempo, se constrói o hoje, o nós, o somos. O tempo aqui transcende; O tempo aqui se transforma; O tempo aqui nos torna inteiros, alicerçados, fortes... E para quem sabe olhar com o coração, o tempo aqui é amor. Onde os momentos felizes se transformam em relicários antigos, e as tristezas são contadas como batalhas vencidas com coragem e fé. Somos sobreviventes, é verdade. Porque a vida continua como tem que ser. A nossa memória é que nos privilegia. Onde nosso tempo não corre como nos calendários que estipulam datas, meses e anos... Nosso tempo é contado a partir do imenso amor que sentimos – na memória presente – por nossas Raízes. Temos muito em comum, bem sabes... Toínhos, Raízes e Catrevagens. E as histórias de tudo aquilo que sentimos e vivenciamos nunca serão esquecidas, porque o coração lembra e conta tais histórias como “manchetes do dia”. Manchetes que a alma recorta e guarda para lembrar e sentir sempre. Que as tuas, as nossas e as RAÍZES de todo nosso povo sejam sempre abençoados. E que tu possas seguir sempre com esse olhar limpo, com essa sabedoria e com esse orgulho pelo que és e representas para todos nós. Carlos que me perdoe, desculpe-me e me entenda... Mas eu te ADORO AMIGA!
Obrigado por esse resgate tão lindo. Minha mãe está aqui com os olhos brilhando... Por isso a Minha Crônica do dia é sua.

À esquerda Bernadete (minha irmã) e à direita Bernadete (mãe de Dhotta)

E aos pés do teu comentário, àquela minha postagem, eu escrevi:
"Meu amigo, fica difícil agradecer o que escreveste aqui. Primeiro porque tu escreves muito bem, segundo porque essa crônica não merece ficar escondida como um simples comentário. Hei de arranjar tempo e capacidade para colocá-la em evidência. O mundo precisa saber os motivos pelos quais tu e tua família são "raízes do meu coração”. Não quero esgotar aqui o que gostaria de te dizer, deixo para tentar verbalizar noutra oportunidade, em um dia daqueles em que as palavras são escritas pelas mãos, porém são consideradas inspirações divinas. Um beijo no teu coração! "
Hoje cumpro o que prometi. Se não consegui inspiração divina para as palavras, pelo menos as escrevo no dia 31 de agosto, dia em que o próprio Deus sentiu-se inspirado em te trazer ao mundo, presenteando a tua família e aos teus amigos com o teu nascimento.

Nós temos raízes fincadas no mesmo chão, nascemos e passamos boa parte de nossas vidas apreciando a mesma paisagem, a Praça de São Pedro, cuja edificação foi uma iniciativa do meu saudosos pai, à época em que foi prefeito da nossa cidade.

Hoje, olhando para a mesma praça, você pode se orgulhar do seu belo projeto de revitalização, cujo resultado revela a competência do seu irmão, o arquiteto Camilo Costa, que lhe evolveu a beleza perdida pela destruição e descaso de outras administrações.

Nós temos origens semelhantes. Nossos antepassados viveram da produção agropastoril, os meus, do Sitio Maniçobas, os teus, do Sítio Penha. Além do que, através dos seus estabelecimentos comerciais, seguiram o mesmo ramo. Compravam e vendiam, em grosso e a varejo, alavancavam a economia do município. Davam empregos, distribuiam renda, ganhavam dinheiro, ajudavam aos pobres, faziam política, disputavam o mercado, importavam e exportavam mercadorias e deixaram para nós um exemplo de homens de bem que fizeram do trabalho honrado a maneira mais correta de subir na vida.
Por tudo isto, orgulho-me das minhas raízes e trago as tuas no meu coração.


Na política, fomos adversários, os Penhas eram de Inácio Mariano Valadares, udenistas (UDN).
Os Piancós eram de Walfredo Paulino de Siqueira, pessedistas (PSD), porém, até onde eu sei, a preferência partidária jamais foi motivo para abalar a amizade e o respeito que sempre existiu entre nossas famílias.
Seu Tio, Luiz da Penha, foi um dos nossos melhores amigos, no que pese ter concorrido juntamente com meu pai, na chapa majoritária para prefeito de Itapetim, e, naquela ocasião, apesar de candidato derrotado, foi o primeiro a chegar na nossa casa para comemorar a nossa vitória.



Sem se falar da grande amizade que meus pais nutriam pelos seus avós maternos, Seu Albino e Dona Maria.
A nossa afinidade com Cléria e Adalberto Confessor (seu esposo), com Danda, Udo, que foi minha colega de ginásio, minha e de Beta minha irmã mais velha, em São José do Egito).

E o que dizer sobre a Drª Socorro? Para nós será sempre "Colinha de Toinho e Bernadete", pois que de tão meiga e delicada, continuará para sempre a ser aquela menina que veio, sozinha, à capital do estado para se formar em medicina,  tornando-se presença constante em nossa casa, por intermédio da nossa prima, Ivani, sua grande amiga de infância, que também veio do interior para estudar, e morava conosco.
A amizade cresceu de forma que, posteriormente, tivemos a honra de ser seus padrinhos de casamento.
Dona Maria, sua avó, foi uma das grandes amigas de Dona Anita Rego (minha sogra), tanto é que foi convidada a posar junto com a família por ocasião da inauguração da Praça Aderbal Rego.



Por tudo isto, Dhotta, em todas essas lembranças, após tantos tropeços na SAUDADE, eu  esbarro no AMOR fraterno que nos une à sua família, e por tudo isto, Dhotta, eu aproveito para te desejar, no dia de hoje, dia do teu aniversário, muitos anos de VIDA.

E por tudo isto, eu te dedico a canção de Roberto Carlos: "Eu quero ter hum milhão de amigos e bem mais forte poder cantar ..."



São coisas como estas que a gente não tira do coração.

Parabéns, amigo, obrigada por todas as atenções que de ti recebo.

P.S.

Se você recebeu esta postagem por e-mail, por favor não responda, clique em "Postado por Lusa Vilar em RAÍZES DO CORAÇÃO" para visualizá-la na íntegra. Feito isto, deixe seu comentário (se desejar).

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

ADEUS MINHA AMIGA DJANIRA!


Djanira Paes da Silva, Ex-Primeira Dama de Itapetim - PE

 De luto está Itapetim. De luto está o coração das filhas de Toinho e Rita.
Nesta casa, na casa de Toinho e Rita, a palavra "mãe " saia da boca de Telma e Tânia ( suas filhas) com o mesmo sabor que saia da nossa boca quando nos referíamos a Dona Rita.
Djanira nunca vinha à nossa casa, nossa mãe também não frequentava a dela. Mas as duas tinham um pacto de amizade, um bem-querer tão forte, que ultrapassava distâncias e ausências físicas. 
Através dos filhos elas se mantinham fiéis às suas amizades, porque comungavam do adágio que diz: "Quem a boca do meu filho beija, a minha adoça". E a presença dos filhos de Djanira, na nossa casa, fortalecia a amizade que nossa mãe lhe devotava, em vice-versa.
Hoje elas se encontraram na eternidade e certamente falaram sobre nós, unir-se-ão para fortalecer a vigília em favor da nossa proteção.
Vai, Djanira, vai com Deus, e diz a Dona Rita  que nós ficamos com saudades de você. Diz a Dona Rita que ela ainda hoje está mais viva do nunca em nossos corações, porque têm coisas nesta vida que dele jamais sairão, e amor de mãe é uma delas.
Adeus, minha amiga, até um dia na eternidade!

domingo, 1 de agosto de 2010

NOVOS PASSAGEIROS A BORDO - ESTAÇÃO BAHIA!


("Árvore de Amigos" recebido por e-mail, enviado por Pati Araújo)

No dia 02 de dezembro de 2009, ao brir o meu Blog Raízes eu me deparei com o seguinte comentário para uma das minhas postagens:

Oi Lusa,
Encontrei seu blog no  Caríssimas Catrevagens, o Blog de Dhotta,  e digo desde já: é um encanto tudo por aqui, o amor que você colocou no blog é evidente...um amor que vai desde seus pais até os seus netos lindos, parabéns!
Seu blog é de um saudosismo sensível que encanta, as fotos maravilhosas, a sua forma de escrever...Voltarei mais vezes para ler com calma todo o conteúdo desse báu de histórias.
Abraço forte, beijos e lindo dia pra vc! :]
E foi assim que Pati Araújo descobriu o meu "Raízes". Aos pouquinhos foi conhecendo a minha história de vida e eu fui acessando o seu blog  Flor de Liz  e, aos pouquinhos, também fui descobrindo a pessoa maravilhosa que ela passa ser através das sua postagens. Nasceu entre nós uma amizade virtual que, hoje, mesmo sem a conhecer pessoamente, posso dizer que ela plantou sementes no meu coração que um dia , certamente, nascerão e fincarão suas raízes. 
Este espaço é reservado para aqueles que fazem esta viagem junto comigo no meu "Trem da Vida". Por antecipação ao nosso conhecimento físico/pessoal disponibilizo para você, Pati, juntamente com sua linda família: Lua (sua filha) e Dona Izabel (a senhora sua mãe), três cadeiras no "vagão" da minha família.
Eu não conheço seu rosto, mas juro que conheço a sua essência. "Compartilho aqui tudo que amo", foi a primeira frase que li no seu blog. E o que você compartilha revela o que você é, você ama a leitura e, afinal, "uma pessoa vale pelo que diz, diz pelo que pensa e pensa pelo que lê ." 



No dia 12 de dezembro Pati me homenageou com  um selo para o meu "Raízes":

Lusa, lá no meu blog tem um selinho pra vc, uma pequena homenagem pelo lindo resgate que vc faz no seu Blog "Raízes". Beijos :)

Os dias foram passando e continuei escrevendo os relatos sobre as nossas origens, conforme havia prometido no "Raizes", o Blog que deixo de presente para os meus netinhos. E, assim, Pati, desde o dia em que me decobriu no Blog de Dhotta o Caríssimas Catrevagens , tem sido uma fiel companheira de viagem, acompanhada de sua mãezinha Dona Izabel e Lua, a sua filhinha de 14 anos.
Descobri que Pati morava na Bahia, na Cidade de Jacobina.
Jacobina ... Precia-me uma cidade muito familiar, não a conheço, mas algo me dizia que já havia escutado falar sobre ela. Conversando com Carlos, meu marido, ele lembrou de Seu José Calu, um amigo de Itapetim, nossa terra natal, que havia morado lá com a sua família: Dona Toinha, Socorro, Caluzinho e Josete.
Seu José Calu foi o pioneiro dono de cinema da minha terra. Não posso esquecer aqueles tempos de criança... Ainda ouço o apelo na difusora local " Não percam, sensacional película cinematográfica ..." 
Gostava de ir ao cinema, mascar "chiclete bola"... rss, escondida do meu pai, pois, não sei quem informou a ele que criança chupando chiclete era um perigo, se o engulisse ficaria pregado no intestino e dava câncer, que terror!
Na década de 50 minha terra conheceu o cinema, (se você quer recordar o que andava passando nas telinhas acesse este link   Filmes da década de 50  de lá para cá só alguns ambulantes montaram suas tendas em salões, praças e calçada da Igreja Matriz, onde a parede alta servia de telão.
E lá íamos nós, de cadeira na cabeça, assistir o filme que seria exibido. Não havia o menor interesse em saber se o filme era bom, o importante era ir ao cinema ... rss
Infelizmente, ainda ão apareceu outro "Zé Calu" e minha terra, hoje, não dispõe de nenhum cinema, em detrimento da juventude que vive privada desse importante instrumento de cultura e educação.
Quando comentei com a minha amiga, Pati, sobre o nosso conterrâneo, sobre o fato dele ter morado em Jacobina, ela, gentilmente, me presenteou com imagens da sua terra:

Igreja Matriz

Igreja da Missão Velha

Hotel Serra do Ouro
O Cruzeiro

Linda a sua cidade! Quem sabe um dia não estarei por aí visitando sua família, teria muito prazer em conhecer pessoalmente essas baianas, cujas origens são pernambucanas, conforme você me revelou em um comentário à minha postagem para o Dia das Mães, lá no meu Raízes:

Oi Lusa,

... Como é gratificante conhecer um pouco mais das pessoas que escolhemos conviver, mesmo que virtualmente. Conhecendo mais percebemos as afinidades, e até o porque de uma amizade que parece de muito tempo.
Laços invisíveis nos unem, talvez seja o sangue pernambucano *rsrs*
Sinto isso ao ler suas histórias, como por exemplo essa linda homenagem à sua mãe, parece que estou lá também, vendo toda a família e desfrutando desse maravilhoso jardim. D. Rita me lembrou muito a minha avó paterna, D. Lica de Zé Agostinho (sempre achei o máximo esse costume de assim denominar as pessoas da família, uns realmente pertencem aos outros: fulano de sicrano...e assim por diante.) Minha avó, mulher forte, com cabelo nas ventas... todos tinham medo dela, inclusive eu quando passava férias aí em Pernambuco, mas era só a cara de brava, por dentro era uma manteiga derretida. Sempre que íamos pra casa dela, no retorno para cá era a maior choradeira, ela não queria que painho voltasse pra casa... na verdade ela era muito emotiva.
Lusa, obrigada por suas palavras tão carinhosas no dia das mães, também felicito você, que é mãe e avó, sempre fazendo o melhor por seus filhos e netos, parabéns!
Mãinha e Lua mandam beijos e já incluímos você e sua família nas nossas orações, que Deus nos guarde e proteja.
Beijos e felicidade :)
Com carinho: Izabel, Pati e Lua
Minha amiga, com esse comentário que você fez aos pés da minha postagem em homenagem à minha mãe, pela passagem do seu dia, você selou a nossa amizade, você me faz repetir com toda convicção:

"Tem coisas que a gente não tira do coração" e a sua amizade é uma delas.
Muito obrigada, Pati, sua família também está inclusa nas nossas orações e hoje faz parte da minha árvore de amigos!

EM HOMENAGEM À FAMÍLIA BAIANA:




P.S.
Se você recebeu um e-mail, relativo a esta postagem, não deixe de clicar em "Postado por Lusa Vilar em Raízes do Coração" para ver a postagem na íntegra.