Seguidores

terça-feira, 6 de outubro de 2009

LUTO EM ITAPETIM!



Itapetim amanheceu mais pobre. Itapetim amanheceu de luto, despediu-se de mais um dos seus poetas. Aos familiares, especialmente aos filhos: Inaldo, Marcos, Vilani e Gracinha por terem sido co-participantes da minha infância e adolescência vividas na minha terra natal, a nossa solidariedade e o nosso pesar por essa imensa perda.
Costuma-se dizer em Itapetim que, de uma maneira ou de outra, todos são parentes. Somos uma grande família. Seu Zezo foi casado com Dona Ditosa, prima da minha avó paterna, Conceição Piancó. Ao longo da vida teve por nossa família uma amizade irreparável, principalmente pelo nosso saudoso pai Antônio Piancó Sobrinho.
Dessa forma, acredito que, com a morte de Seu Zezo, em um dos vagões desse simbólico TREM DA VIDA há uma cadeira vazia, há uma enorme tristeza no coração de todos nós, seus companheiros de viagem.
Irmão de um grande amigo nosso, Inaldo Patriota, significando mais um motivo para nos solidarizarmos por essa grande perda.
Há um livro idealizado por sua filha Sônia Gomes Patriota, a qual encerra o prefácio com as seguintes palavras: “Agradeço a Deus por me conceder a oportunidade de presentear meu pai com a publicação deste livro, isso retrata um pouco do meu amor filial ao tempo em que entrega a Itapetim a ao sertão, mais um registro da cultura emanada dos seus filhos ilustres.”
Não tenha dúvidas, Sônia, o seu gesto, além de revelar o seu amor filial, propricia aos filhos de Itapetim e da Região do Pajeú a oportunidade de sorver nas suas páginas belas poesias escritas por esse poeta que desde 1940 começou a colocar rimas em seus sonhos e em seus anseios.
Muito obrigada, Sônia, por esse maravilhoso presente que nos deu. Quando a saudade do velho amigo apertar, buscaremos nessas páginas as emoções transcritas por esse poeta, cujos sentimentos serão imortalizados.
“José Maria Filho (Zezo Patriota) nasceu no Sítio Aroeira, município de Itapetim, PE em 29 de janeiro de 1917. Filho de Dona Maria Correia, a qual era tia da esposa do nosso inesquecível Tio Levi, que por sinal tem o mesmo nome “Maria Correia”, tendo sido apelidada de Nenen.

Seu Zezo não teve o prazer de conhecer o pai dele, pois, o mesmo faleceu quando ele ainda estava na barriga de sua mãe. Filho adotivo de sua tia Amélia Machado, recebeu todos os carinhos como se filho legítimo fosse.
Foi trabalhador rural e posteriormente comerciante. Começou a escrever suas primeiras estrofes poéticas em 1940, continuando ao longo do tempo, sem disso fazer profissão, a fazer “seus versos” por puro prazer.
Pai de numerosa família, soube sempre amar e respeitar a individualidade de cada filho, o que lhe credita o carinho e o respeito de todos.” (Extraído da capa do Livro “Sertão, Saudade e Poesia”)
PERDOAR NÃO PESA NADA, PESADO É PEDIR PERDÃO
As vezes uma pessoa
A outra faz uma ofensa
Vai pedir perdão e pensa
Que ela não lhe perdoa
Se ela for gente boa
Perdoa de coração
E diz apertando a mão
Você estava enganada
Perdoar não pesa nada
Pesado é pedir Perdão
(Zezo Correia)

2 comentários:

Marcos Dhotta disse...

Amiga!Quero ser o primeiro a seguir-te nessa nova ramificação do RAÍZES... Que coisa Ma-ra-vi-lho-sa! Estavamos carentes de um espaço "sadio" para sentir as raízes de um povo como o nosso. E o que é mais importante, de forma imparcial. Parabéns!! E conte comigo sempre...

Lusa Vilar disse...

Amigos verdadeiros sempre estão a postos. Obrigada, muito obrigada por esse carinho, por essa confiança, por essa estima, por esse respeito, por ... Quero colocar esse meu novo cantinho à sua disposição, inclusive, conto com sua ajuda, suas sugestões, pois você tem sensibilidade e já captou o que verdadeiramente sinto necessidade de materializar neste novo espaço. Somos originários de uma terra onde os corações batem a um só compasso. As tristezas de um será sempre a tristeza de todos, as alegrias, as conquistas, as vitórias, enfim o sucesso de qualquer um é motivo de realização para todos.Vamos, amigo, vamos à cata do nosso povo, lá na "Terrinha dos Babicos" seremos sempre uma grande família. Graças a Deus!